Louvai e bendizei ao meu Senhor,e dai-lhe graças. Servi-o em grande humildade.

Louvai e bendizei ao meu Senhor,e dai-lhe graças. Servi-o em grande humildade.
Louvai e bendizei ao meu Senhor,e dai-lhe graças. Servi-o em grande humildade.

sexta-feira, 30 de setembro de 2011

A Palavra de Deus está somente na Bíblia?




Paz e Bem !

A Palavra de Deus não está só na Bíblia, palavra escrita.


Mas como diz Santo Agostinho, o primeiro livro escrito por Deus é a vida.

É importante descobrir Deus nos mínimos detalhes da natureza, e muito mais é entender que a pessoa humana é a obra mais sublime de Deus.

E a pessoa humana deve ser lida com os olhos de Deus.


A Bíblia é como os trilhos de um trem.


Um dos trilhos é o ato contínuo da criação de Deus e o segundo é o ato contínuo de libertação de Deus.

Deus não só nos cria, também nos quer livres e realizados.

Não podemos pensar que a Bíblia nasceu pronta, ou caiu do céu.

Ela apresenta todas as características do viver de um povo, com suas lutas, tropeços, alegrias, esperanças, desencantos, angústias...

É uma porta aberta, que permite a homens e mulheres se encontrarem com Deus e vice-versa.


A Bíblia é, ainda, como um espelho, nela se reflete o ontem e o hoje.

Reconhecendo nas Escrituras as situações vivenciadas por um povo, que estão ainda presentes hoje > a Bíblia retrata também a nossa história.

E como tal,  ela é reescrita constantemente, partindo do principio central de toda a revelação >  que Deus é Amor;  e este amor não se extinguiu com a morte do último Apóstolo.

Ele continua na nossa ação de amor aos irmãos, sobretudo ao mais pobre e desprezado e se isso não é uma nova revelação, deve ser a releitura da revelação de Deus na nossa Historia.

Você consegue ler a Palavra de Deus no rosto do seu irmão que sofre ou só na conveniência de uma fé confortável?

São Jerônimo, Confessor e Doutor da Igreja, cuja memória hoje recordamos, rogai por nós.

Frei Bento, frade menor e pecador.

sábado, 24 de setembro de 2011

“Tende em vós os mesmos sentimentos que havia em Cristo Jesus.”







Paz e Bem !

Irmãos caríssimos, no Evangelho deste Domingo, Mateus 21, 28-32  Jesus nos assombra com a sentença que dá aos Sacerdotes do Templo, aos Fariseus de todos os tempos, aos que se julgam salvos porque observam mandamentos da Lei  excluindo a Graça e a Misericórdia do Julgamento.

Sim !

Podemos nos ver nas situações descritas neste Evangelho.
Somos o filho,  que a principio diz não ao Evangelho, depois se arrepende e o abraça? 


Ou somos o filho que disse sim , mas seu sim é um não à  Misericórdia e à Graça. 


Esses são aqueles que aceitam Jesus até onde vão as suas conveniências , até onde o seu sentir os leva, não à dimensão de  mansidão e de ternura do Evangelho, mas ao sentir que leva ao julgamento  e à condenação de todos que não crêem como ele.

Este texto,  presente somente em Mateus, é escrito para a comunidade de judeus convertidos ao cristianismo, para aqueles que aceitaram o Evangelho, mas não conseguiam se desapegar dos preceitos judaicos, principalmente quando esses preceitos entravam em choque com a Boa Nova.

Jesus diz a eles,  e a todos nós,  que se não nos convertermos ao caminho da justiça e da misericórdia , se não nos arrependermos dos nossos julgamentos e  condenações ao outro, veremos as prostitutas e os publicanos  nos precedendo no Reino do Céu.

Mas atenção, Jesus não faz aqui a apologia do pecado , do roubo, da má vida, em  que essas pessoas se encontram.

Jesus aqui tem mente os publicanos e as prostitutas que deram um NÂO à lei,  que os perseguia, e se converteram , mudaram de rumo, acolheram a Graça.

Jesus tem diante de si > Zaqueu, o publicano que se arrependeu e vendeu metade de seus bens e deu aos pobres;  tem diante de si a prostituta que lavou aos Seus pés, os  seus pecados,  com suas lágrimas. 


Jesus pensou na mulher em adultério, que seria apedrejada conforme a Lei, mas  que Ele perdoou e disse para seguir seu caminho  e que não mais  pecasse.

Jesus tinha em mente o próprio Mateus, que,  de publicano  se tornou Evangelista,  e nos trouxe  tão Boa Nova.

Todos estes   perseguidos pela Lei , encontraram na Graça a razão de suas vidas, e por isto eles nos precedem no Reino de Deus, que é feito para os pecadores que se arrependem e passam a ter os sentimentos de Jesus, como São Paulo nos pede hoje na segunda Leitura Filipenses 2, 1-11: “Tende em vós os mesmos sentimentos que havia em Cristo Jesus.”


Vasculhemos pois  os nossos porões da consciência, para ver se existem lá os sentimentos do sentir de Jesus.




São estes sentimentos  que nos salvam.


Frei Bento, frade menor e pecador







terça-feira, 20 de setembro de 2011

Maria, a mulher que ouviu e observou sempre a Palavra de Deus em sua vida.






Paz e Bem !

Irmãos, no Evangelho de São Lucas 8, 19-21 desta Terça Feira, nos deparamos com uma passagem difícil e sempre  mal interpretada,  sobre a figura de Maria Santíssima na vida do Filho.
Lucas hoje nos dirá que a mãe e os irmãos de Jesus foram procurá-lo, mas não conseguiam chegar até Ele por causa da multidão. E avisaram ao Senhor que eles estavam ali e queriam vê-Lo. Jesus responde que a Sua mãe e os seus irmãos  são “estes” que ouvem a palavra de Deus e a observam.
Primeiro há de se observar que Jesus não diz quem são “estes” que ouvem a palavra de Deus e a observam.  
Quem eram? 
De onde vinham?
Estes somos nós?  > Eu, você, nossos irmãos, nossos amigos?
É a pergunta que eu me faço, e vos faço também.
Mas, no inicio da narrativa do Capitulo 8  S.Lucas vai identificá-los como "uma multidão que O seguia", vinda de várias cidades, também Joana , mulher  de Cuza, Suzana e muitas outras que lhe serviam com suas posses.
Ninguém conhecido...
Nenhuma destas pessoas indefinidas , de certo, recebeu um dia o Anjo do Senhor que anunciou a eles que seriam mães ou pais do Messias, ainda que virgens, e “sem conhecer homem algum”.
Nenhuma dessas mulheres ou desta multidão , foi um dia ameaçada pela Lei por ser considerada adúltera, mãe solteira.
Nenhuma dessas mulheres e ninguém desta multidão de improváveis pode um dia dizer ao Senhor: “Faça-se em mim segundo a sua palavra.”
Somente Maria disse isto, desta multidão imensa nenhuma pessoa foi chamada de bendita porque acreditou, porque serão cumpridas da parte do Senhor , as coisas que foram ditas a Maria.
Nenhuma destas pessoas foi chamada de “mãe de meu Senhor”.
Nenhuma delas, seria proclamada por  todas as gerações como bem-aventurada.
A ninguém desta multidão Deus fez maravilhas.
Entre as mulheres nomeadas por Lucas neste capítulo, e as improváveis mulheres da multidão, nenhuma delas era bendita entre as demais. 
Só Maria.
E todas essas assertivas são do mesmo Lucas, aquele que no inicio do seu Evangelho declarou que havia diligentemente investigado tudo, para que Teófilo conhecesse a solidez dos ensinamentos que recebeu.
E Lucas me sai com uma dessas?!?!
Ora, como o mesmo Evangelista narra que Maria se colocou com a serva do Senhor e permitiu que Deus nela operasse para trazer ao mundo a salvação, e agora a coloca fora daqueles > "estes" ?
Como é que Maria está de fora daqueles que “ouvem a palavra de Deus e a observam?”
E o mesmo Lucas , no capitulo 11,  irá de novo colocar um elogio a Maria na boca de uma mulher de outra multidão, e de novo dirá que Jesus revela que bem aventurados são os que ouvem a palavra de Deus e praticam.
Será que Lucas errou?
Ou são muitos aqueles que erram em interpretar essas duas passagens como um corte do Senhor a qualquer elogio ou reconhecimento ao que Sua Mãe fez, por causa de seus corações endurecidos e por causa de uma interpretação tendenciosa e conveniente?
A Virgem Maria estará sempre acima “destes” que ouvem a palavra de Deus e a observam.
Porque ninguém mais observou a palavra de Deus em  sua vida,  e a praticou mais , se não , Maria, a serva do Senhor, a Mãe de meu Senhor .


Frei Bento, frade menor e pecador.






domingo, 18 de setembro de 2011

Somos todos primeiros , ainda que sejamos os últimos.





Paz e Bem!

No trecho do Evangelho que ouvimos  neste Domingo, Mateus 20,1-16 , Jesus nos desconcerta com a Parábola do Dono da Vinha que saiu de madrugada para arrumar operários para seu vinhedo.
Mais uma vez o Senhor compara o Reino de Deus a algo que foge à nossa lógica
Desta vez nos conta a estória do Dono da Vinha sai pela madrugada para contratar o serviço de alguns, depois às 9 horas da manhã para contratar mais operários, depois ao meio dia, depois às 3 da tarde e se tudo isto não fosse o suficiente, às 5 horas da tarde, na última hora útil do dia, pergunta aos que ainda estão desocupados se não querem eles irem trabalhar também.
E eles foram, por último.
Mas todos receberam ao final da jornada uma mesma moeda de prata, independente da jornada de trabalho que tiveram.
Isso segundo nosso senso de justiça é inconcebível, quem trabalhou mais deveria receber mais e quem trabalhou menos, o menos.
Mas esta é uma parábola  traduz a misericórdia de Deus e não  relações trabalhistas.
É Deus o Dono da Vinha e a Vinha é o Reino de Deus.
Para Deus não importa a hora do Homem, porque sua Misericórdia se estende a todos, independentemente do momento da nossa adesão ao Seu projeto, e aqui, a moeda de prata representa o Amor de Deus como recompensa dada a todos, a qualquer momento.
E ao empregado que reclamou que trabalhou mais e, portanto, merecia maior recompensa, o Dono da Vinha responde >  não sintas inveja por eu ser bom.
É que o Amor de Deus não é distribuído de forma desigual >  a todos Ele dá o que “foi combinado”.
Esta aparente ilógica, é a resposta para aqueles que se sentem merecedores de recompensas maiores porque se sentem “donos” de Deus, os verdadeiros adoradores , os primeiros em números e lucros.
No entanto, quem veio por último ,  quem aderiu ao projeto da Vinha de Deus na hora derradeira >  mereceu a mesma recompensa.
Ele foi o último, mas para Deus Ele é como o primeiro, como todos nós somos os primeiros, desde que saibamos ser , como os últimos e aderir ao Senhor para sermos humildes trabalhadores da Sua Vinha.

Frei Bento, frade menor, pobre e pecador.

sábado, 17 de setembro de 2011

A dor da perfeição.





Paz e Bem !

Altíssimo , Onipotente e Bom Senhor, a ti todo o louvor , somente a ti pertençam, toda honra , toda glória, toda benção.

Meus amigos e irmãos católicos e demais irmãos em boa vontade, vinde,  eu vos convido  a subir comigo  o Monte,  para contemplarmos  O Crucificado,  nas asas de um Serafim.

Que  tomemos parte nesta "seráfica " aventura, angelical, e também dolorosa, de imprimirmos nas nossas dores, as marcas das dores do Cristo, que nos vem , voando nas asas de um Serafim de luz.

Vivamos também nós  o que São Paulo escreveu , o que Francisco viveu:


Completar  na nossa carne o que faltou  aos sofrimentos de Cristo pelo seu Corpo, que é a Igreja.


Então , que O Cristo a Quem  tanto amamos , também nos marque com Suas chagas, como marcou a Tomé pedindo que as tocasse. 

Que o Senhor de toda Glória imprima em nós ,  as mesmas chagas que premiou  Francisco, para que saibamos todos que   a paixão do Senhor continua em nossas próprias dores, e  em cada irmão que sofre, em cada dor dos homens sejam dores físicas sejam dores morais.

Por isto,  também nós todos devemos receber com seráfica alegria, os nossos inevitáveis  estigmas > quando sofremos dores de doenças e dores morais,  pois todo o nosso sofrimento é o que faltou ao sofrimento do Senhor pela redenção do mundo. 

Afinal, estamos todos como o Apóstolo : crucificados com Cristo > " logo, já não sou eu quem vive, mas Cristo vive em mim; e esse viver que, agora, tenho na carne, vivo pela fé no Filho de Deus, que me amou e a si mesmo se entregou por mim" (Gl 2, 19-20). 

Tudo isso Francisco viveu de forma perfeita, e os seus estigmas nos convidam a refletir sobre os nossos próprios estigmas, nossas dores, para que elas possam fazer sentido dentro das dores do Cristo Senhor Nosso.


Todos nós devemos ir ao nosso Monte Alverne, para esse encontro primordial com Jesus pela oração , e muitas vezes o Monte Alverne de cada um de nós está na pessoa do nosso irmão que sofre e que deve ser des- crucificado de suas cruzes do dia-a-dia.


Sentir na nossa pele a dor dos outros Cristos que são os pobres, os famintos, os sedentos, os forasteiros, enfim, todos aqueles que em Mateus 25 Jesus disse que estaria presente e necessitado de nós, de nossa acolhida.



São Francisco acolheu os pobres do mundo vendo neles o Senhor, e nós, acolhemos as dores do nosso irmão pela misericórdia,  e pelo amor ?




Essa experiencia de Monte Alverne deve ser uma subida ao encontro de Jesus em essência, o Cristo que nos desafia, nas nossas dores pessoais, nos nossos pecados  imensos, e no rosto do irmão que nada tem.


Encontremo-nos todos no nosso Monte Alverne , inevitável....


Memória dos estigmas do Seráfico Pai Francisco de Assis MM XI – AD

Frei Bento, frade menor, muito pobre e pecador.

quinta-feira, 15 de setembro de 2011

Às sete dores de Maria, hoje em dia poderíamos contar quantas mais ?





Paz e Bem !

A Igreja celebra hoje , Quinta Feira, em seqüência da festa da exaltação da Santa Cruz, as sete dores de Maria, uma devoção muito antiga que visa contemplar o sofrimento de Nossa Senhora , em função dos sofrimentos de seu Filho.

Foram dores compartilhadas com Ele, nela dores da alma.

Em Jesus foram as dores físicas e tantas outras dores pelos nossos pecados.

Em Maria as dores de mãe, mas foram dores necessárias para que se cumprisse o que Isabel CHEIA DO ESPIRITO SANTO previu : "Bem-aventurada és tu que creste, pois se hão de cumprir as coisas que da parte do Senhor te foram ditas! " (Lc 1, 45).

As sete dores :

1- A profecia de Simeão – Lc 2, 35

2- A fuga com o Menino para o Egito – Mt 2, 14

3- A perda do Menino no templo, em Jerusalém – Lc 2, 48

4- O encontro com Jesus no caminho do calvário – Lc 23, 27

5- A morte de Jesus na cruz – Jo 19, 25-27

6- A lança  no coração e a descida de Jesus da cruz – Lc 23, 53

7- O sepultamento de Jesus e a solidão de Nossa Senhora – Lc, 23, 55

Hoje em dia mais dores devem fazer sofrer o coração de Maria, a fome dos miseráveis, o comportamento infeliz de tantos sacerdotes, o aborto, o casamento de pessoas do mesmo sexo, a apostasia de muitos que a admiravam e passaram a combatê-la como se ela fora "uma concorrente” de Jesus, que é o que eles imaginam que a Virgem Maria é...

Assim , ao ampliarem as dores de Maria,  nem percebem que estão a afastar a presença de Jesus em suas vidas, porque ao agredirem a pessoa de Maria , demonstram que o cristianismo passa longe de seus corações.

A Virgem Maria não é deusa, não deve ser adorada, mas deve ser amada, com amor filial, o amor do discípulo amado ao recebê-la em sua casa.

Ah Maria , quando vejo as notícias de tantas mulheres que jogam seus recém nascidos no lixo, nos esgotos, quando vejo tantas mulheres que alegam falsos estupros para "se livrarem" do incômodo filho que o sexo irresponsável dela e do parceiro , produziu, eu sinto a dor de seu coração materno sofrendo por cauusa desse inocentes.

Quando vejo tantas mulheres miseráveis, na África, ou em qualquer canto abandonado deste mundo , tentando amamentar com seus seios secos, famintos inocentes , eu sinto a dor transpassando a sua alma maternal , Senhora.

Mãe, quando vejo a Igreja do Teu Filho querido sendo alvo de campanhas diabólicas, e de infames acusações, eu vejo em seus olhos as mesmas  lágrimas que chorastes por
Teu divino Filho crucificado.

Quantas dores novas fazem sofrer o coração da mãe de Deus , pelos ataques e pelas incompreensões de tantos ?

Stabat Mater dolorosa iuxta crucem lacrimosa dum pendebat Filius

Solenidade das sete dores de Nossa Senhora – MM XI – AD

Frei Bento, frade  menor , filho de Maria, pobre e pecador.

terça-feira, 13 de setembro de 2011

CRVX FIDELIS


  



Paz e Bem !


O Evangelho de hoje nos trás a narrativa de João 3,13-17, quando Jesus diz a Nicodemos: “ Ninguém subiu ao céu, a não ser aquele que desceu do céu: o Filho do Homem. Assim como Moisés, no deserto, levantou a cobra de bronze numa estaca, assim também o Filho do Homem tem de ser levantado, para que todos os que crerem nele tenham a vida eterna”
Depois Jesus dirá, no capitulo 12 do mesmo Evangelho: E quando eu for levantado da terra, atrairei todos os homens a mim.

A imagem é recorrente em ambos os casos à serpente de bronze, que Deus mandou fazer, por intercessão de Moisés após a revolta do povo conforme está escrito em Num 21, 4-9, para que todos que estivessem contaminados pelo veneno , ao olhar para a serpente de bronze ficassem curadas.

A figura da serpente de bronze no deserto, prefigura o Senhor Crucificado, em ambos o simbolismo é evidente.
A serpente de bronze, apesar de se assemelhar às serpentes que envenenaram o povo de Israel, não continha o veneno que elas possuem, embora lhes fosse semelhante.
O Senhor Jesus não possuía o pecado, mas todo aquele que O olhar , no seu trono de Cruz, será liberto do pecado que é semelhante ao homem.
E em outra passagem, em João , 8 , 21-30, novamente Jesus dirá: “Quando levantardes o Filho do homem, então sabereis que ‘Eu sou”.
E todo “Eu Sou” que Jesus É, se traduz por misericórdia e perdão, a nossa cura das trevas.
É que tantas vezes preferimos as trevas à luz que emana do Cristo Crucificado por nós. É da cruz, do lugar do tormento e do opróbrio, que Deus constituiu lugar de Luz, para que Nele creiamos e para que, já não sejamos julgados pelas trevas que o nosso mal produz.
Com a Virgem Maria, modelo da escuta e do acolhimento da Vontade de Deus, possamos aprender a vivermos na Luz que brota da Cruz , para que nossas ações sejam feitas de acordo com a Vontade de Deus.

Vivemos na treva do mal ? Ou na Luz que vem de Jesus , levantado diante dos Homens?

Celebrando hoje a Festa da Exaltação da Santa Cruz, pedimos ao Pai Misericordioso que dê serenidade e firmeza ao papa Bento,  para que possa suportar mais esta cruz pesada que ameaçam impor aos seus ombros.

Rezemos pelo papa,   e por todas as vítimas dos maus padres que envergonham o Cristo,  a Quem juraram servir com a própria vida.


Solenidade da Exaltação da Santa Cruz - MM XI AD

Frei Bento , frade  menor e pecador

segunda-feira, 12 de setembro de 2011

Quem de nós poderá julgar a sinceridade da fé de alguém?





Paz e Bem !

O Evangelho de hoje , Lucas 7, 1-10, nos trás a narrativa da cura do servo do oficial romano, que pediu a outros que fossem até Jesus pedir pela cura do servo. O romano nem se atreveu a ir pessoalmente, e mandou que lhe dissessem esta frase que todos nós repetimos quando vamos participar da Eucaristia > “Senhor eu não sou digno de que entreis em minha morada, mas dizei uma só palavra e minha alma será salva.”
Jesus curou o servo do romano e disse : - Eu declaro a vocês que nem mesmo em Israel encontrei tamanha fé.

A lição que nos fica é esta> Muitas vezes pode-se encontrar mais Fé em pessoas que não pertencem a uma instituição religiosa do que entre aquelas que dela fazem parte.

Para Jesus a Fé autentica pode estar em alguém que não compartilha conosco o que acreditamos, principalmente se essa Fé for muito mais autentica daquela que achamos que temos e grau tão elevado.

Só O Senhor conhece a nossa sinceridade, só Jesus entende nossos corações.

Por que julgamos que alguém diferente de nós possa ter uma Fé muitas vezes maior do que a nossa mesma?


Frei Bento, frade menor , pobre e pecador.

domingo, 11 de setembro de 2011

A Terapia do Perdão.




Paz e Bem !

Lembrando a oração atribuída a São Francisco: “É perdoando que se é perdoado”

Eis, o Evangelho deste Domingo nos repete esta verdade que nosso orgulho às vezes  rejeita. Voltamos ao texto tão querido de Mateus 18, a continuidade do Evangelho do Domingo passado quando o Senhor nos ensina a terapia da correção fraterna. 


Agora o Senhor nos  ensina a terapia do perdão.


Como é difícil perdoar, não é mesmo?


Aqui está a grande exigência do cristianismo, a exigência vivida pelo próprio Senhor > "Pai , perdoai-lhes,   eles não sabem o que fazem”


Quantas vezes temos vontade de dizer isso à tantas ofensas que recebemos. Quantas vezes aqueles a quem ofendemos não querem o mesmo para nós.


Nossa sociedade está se tornando  uma sociedade de ofensas,  o direito à  liberdade de ser,  parece que está se transformando >  no direito de ofender.


Somos ofendidos e ofendemos, na nossa comunidade, na Escola, no trânsito, na família, entre irmãos.


O mundo deixou de ser a comunidade do perdão para ser a comunidade das ofensas.


Ofensas sociais, políticas, como nos desagrada a corrupção , a impunidade, as injustiças que sofremos, e que infringimos também !!!!

Basta disto tudo, Jesus nos diz hoje : perdoar 70X7, e Jesus tem um cuidado especial com o perdão , tanto que o insere na oração que Ele mesmo nos ensinou: perdoai as nossas ofensas, assim como nós  perdoamos a quem nos tem ofendido.

Este numero 70X7 em algumas traduções da Bíblia é 77, Jesus faz aqui , citando este numero, a evocação da vingança de Caim e de  Abimalec no Genesis , lemos que se alguém matar Caim, 7 vezes encontrará vingança! (Gn 4,15). 

Contudo, um bisneto de Caim, Lamec,  foi terrível! Ele teve duas esposas Ada e Sila. Não sabemos o que fez Lamec ficar tão enraivecido e descontrolado, mas, um dia, ele disse às suas mulheres: Ada e Sila, escutai minha palavra! Matei um homem por uma ferida e um jovem por um arranhão! Sete vezes será vingado Caim, mas Lamec será vingado 77 vezes! (Gn 4,23).

Atentai, se um arranhão  e uma ferida ensejaram tão grande vingança, Jesus usa destes mesmos números para proclamar Sua Misericórdia.

Está ai o dilema > perdoamos a quem nos tem ofendido ou proclamamos vingança 77 vezes?

O cristianismo nunca foi imaginado pelos primeiros como uma fé de massas, ele foi concebido para ser um rebanho do Senhor, rebanhos não são imensos, são pequeninos,  para que os pastores possam cuidar bem de todas as suas ovelhas.Para que elas não sejam seduzidas pelos falsos pastores, os lobos travestidos em cordeiro.


Por isto o Senhor no disse no Evangelho do Domingo passado: “onde dois ou três”. Isto traduz  uma comunidade pequenina, uma comunidade de poucos, de dois ou três,  em que se corrige para ganhar o irmão, não para perde-lo.


Mas crescemos, e  estamos nos perdendo   nos tortuosos caminhos da indiferença, as ofensas passam a ser o lugar comum, o “direito” de  livre expressar o que sentimos.


Ora, o Senhor nos conta a parábola do Rei que perdoa o empregado devedor, mas o condena quando ele não foi capaz de perdoar  como foi perdoado.

A ênfase  de meu doce Jesus não está na ofensa recebida, mas no perdão que devemos.

“Perdoa a ofensa do teu próximo e, quando o pedires, as tuas ofensas serão perdoadas” Nos alerta a leitura do Livro do Eclesiástico de hoje.

“Suportai-vos uns aos outros e perdoai-vos mutuamente sempre que tiverdes motivo de queixa contra alguém. Pede-nos São Paulo, e acrescenta >Como o Senhor vos perdoou, assim perdoai vós também” (Col. 3,13).

Frei Bento, frade menor, e pecador.

sábado, 10 de setembro de 2011

A Boca fala daquilo que o coração está cheio







Paz e Bem !

Lembrando o que Jesus disse no Evangelho de hoje, Lucas 6, 43-49:
" O homem bom tira coisas boas do bom tesouro do seu coração, e o homem mau tira coisas más do seu mau tesouro, porque a boca fala daquilo de que o coração está cheio".
Por que Jesus nos diz isto?
É porque o ser humano esconde seu verdadeiro tesouro no seu coração, e não na boca.
Assim, aqueles que tem o coração repleto de coisas boas, dizem e fazem coisas dignas de serem imitadas.
Os que tem o coração repleto de maldade, por mais que ensinem coisas bonitas, serão incapazes de realizá-las.
Assim sendo, é melhor não lhes dar crédito.
Porque este motivo Jesus irá nos perguntar :" Por que me chamais: Senhor, Senhor... e não fazeis o que digo?
E o que é que Jesus nos diz no Evangelho?
Ele manda que nos tornemos instrumentos de Paz ou de Guerra?
Que levemos pelo caminho o amor ou o ódio?
O perdão ou a ofensa?
A dúvida ou que levemos a fé?
A verdade ou o erro?
A luz ou as trevas?
Pedimos ao Senhor que nos ensine mais consolar ou sermos consolados?
Compreender ou sermos compreendidos?
Amar ou sermos amados?
Por isto, recebemos aquilo que doamos
É perdoando que somos perdoados
Para que ao final dessa jornada, alcancemos então a verdadeira vida.
Pois " Todo aquele que vem a mim ouve as minhas palavras e as pratica, eu vos mostrarei a quem é semelhante"
A quem nos assemelhamos aos que constroem como Jesus a Igreja sobre uma rocha, ou os que constroem "castelos de areia"?


Frei Bento, frade menor e pecador.

sexta-feira, 9 de setembro de 2011

O cisco do olho do nosso irmão será sempre menor que a trave dos nossos olhos.




Paz e Bem !

No Evangelho de hoje, Lucas 6, 39-42, lemos o famoso texto que tantos de nós usamos , até mesmo para justificar nossas atitudes diante das criticas que recebemos> “Por que você fica olhando o cisco no olho do seu irmão, e não presta atenção na trave que há no seu próprio olho?”

No contexto dessas palavras,  podemos ver Jesus cercado e ouvido por fariseus que queriam,  a qualquer custo,  pegar o Senhor em alguma contradição com lei, o fazem até hoje aliás...

Por isso Jesus sempre fala deles, dos fariseus que seguiam a lei conforme a sua vontade e conveniência.

Os fariseus tinham extrema habilidade em enxergar pequeninos erros , ciscos no olho do vizinho, mas se esqueciam das traves que cegavam seus olhos .

São os mesmos que apedrejavam os pecados dos outros se “esquecendo” dos seus próprios; o sentido aqui é o mesmo.

Hoje, no século XXI cada vez mais vivemos e somos cercados de muitas pessoas.

Somos regidos por regras sociais legais e de convívio social. 

Isso faz parte de estar em meio a outras pessoas,.  visto que não moramos nas cavernas , ou numa ilha deserta ou apenas sozinho, precisamos dar conta das diferenças que nos são impostas.

Precisamos de gente que nos oriente, que nos ofereça uma alternativa sadia e não alguém que decrete sobre nossas vidas, apenas por não gostar da gente , ou por inveja ou outro motivo torpe.

Vemos a todo instante pessoas que se apegam aos erros dos outros se esquecendo dos acertos que também ocorrem; pessoas que não se resolvem consigo mesmo, mas conseguem descrever o que acontece com a vida do outro detalhadamente > pessoas que não conseguem ser e se realizam tentando não deixar que ninguém seja> pessoas que muitas vezes precisam é rever sua própria vida.

Para então ter a sensibilidade de achar um pequeno cisco no olho do outro e com delicadeza, soprá-lo para longe, como acontece com quem nos tira o cisco do olho por caridade, nunca por maldade.

Este é o sentido de Jesus dizer> tire a trave do eu olho para poder aliviar o outro do pequeno cisco que lhe arranha os olhos.

Agindo assim é que deixamos de cegos, conduzindo cegos, rumando todos juntos para os abismos.

Você sopra o cisco nos olhos dos outros por misericórdia ? Ou para aprofundar seu desconforto?

Frei Bento, frade menor e pecador.

quinta-feira, 8 de setembro de 2011

Para que Maria vos nasceu?









Paz e Bem !

Hoje , Quinta -feira 8 de Setembro de 2011 a Igreja celebra a festa da Natividade de Maria.
Celebramos três natividades no Ano Litúrgico , a do Senhor, no Natal, a de São João Batista em 24 de Junho, e a da Virgem no dia de hoje.


Porque essas três natividades mudaram o mundo.


Jesus por ser nosso Salvador e Senhor, João, porque dos nascidos de mulher, isto é, dos nascidos do amor conjugal entre um homem e uma mulher, ninguém é maior do que João.


E da Virgem Maria,  porque o Senhor  nela  fez maravilhas,  que não fez a mais nenhum ser humano na História.



E Maria nos nasceu certamente para ser a mãe de Deus, do Verbo de Deus que se encarnou no seu seio puríssimo e se fez homem.

A festa da Natividade de Maria é tão importante que o calendário litúrgico das Igrejas da Ortodoxia tem seu inicio no dia de hoje.

Segundo eles, pelo espírito da Igreja, devemos celebrar a Festa da Natividade com santa Alegria, porque o nascimento de Maria é a aurora de nossa salvação. Com o seu nascimento é anunciado ao mundo a boa nova: a mãe do Salvador já está entre nós.

Mas e para nós, por que é que Maria nos nasceu?

Padre Vieira, o grande orador do século XVI tem um sermão muito belo sobre essa festa.

Pergunta o padre Vieira> Quereis saber quão feliz, quão alto é e quão digno de ser festejado o Nascimento de Maria? Vede o para que nasceu. Nasceu para que dela nascesse Deus.(...)perguntai aos infernos para que nasce esta celestial Menina, dir-vos-ão que nasce para Senhora da Saúde; perguntais aos pobres, dirão que nasce para Senhora dos Remédios; perguntai aos desamparados, dirão que nasce para Senhora do Amparo; perguntai aos desconsolados, dirão que nasce para Senhora da Consolação; perguntai aos tristes, dirão que nasce para Senhora dos Prazeres; perguntai aos desesperados, dirão que nasce para Senhora da Esperança. Os cegos dirão que nasce para Senhora da Luz; os discordes, para Senhora da Paz; os desencaminhados para Senhora da Guia; os cativos para Senhora do Livramento; os cercados, para Senhora da Vitória. Dirão os pleiteantes que nasce para Senhora do Bom Despacho; os navegantes, para Senhora da Boa Viagem; os temerosos da sua fortuna, para Senhora do Bom Sucesso; os desconfiados da vida, para Senhora da Boa Morte; os pecadores todos, para Senhora da Graça; e todos os seus devotos, para Senhora da Glória. E se todas estas vozes se unirem em uma só voz, dirão que nasce para ser Maria e Mãe de Jesus"

E para nós? Para que nos nasceu Maria, a mãe de meu Senhor (Lucas 1,43)

Solenidade do Nascimento de Maria – MM XI AD


Frei Bento , frade menor, filho de Maria, pobre e pecador.

terça-feira, 6 de setembro de 2011

O nosso chamado.




Paz e Bem!


No Evangelho desta Terça Feira , Lucas 6, 12-19, no alto de uma montanha o Senhor se retirou em oração durante toda a noite. Aqui me lembro de San Juan de la Cruz e de suas noites escuras da alma. Recordo também o mesmo meu Senhor em outra noite escura, em outro monte, o das Oliveiras, em oração de agonia e de entrega, uma noite em que o  Senhor nos pediu para orar e vigiar com Ele >  mas não fomos capazes !

A montanha também está presente nas bem-aventuranças de Mateus, a montanha também será o lugar da entrega de Jesus> o Calvário, e em uma montanha o Senhor se transfigurou.

As montanhas são as elevações de nossas almas, os lugares onde Deus nos encontra, como encontrou Moisés no Antigo Tempo, e onde nosso Pai S.Francisco encontrará o Cristo nas asas de um Serafim, nos mistérios dos estigmas que iremos celebrar em breve.


A montanha é até mesmo o outro nome de Minas Gerais!

Subamos a montanha  com Jesus, para orar , e com Ele vigiar , porque  devemos sempre buscar as coisas do alto, nos altos de nossa humanidade imperfeita, os altos onde Deus nos fala sempre, na solidão >  e no grande  silêncio. 


Ah como eu anseio por este silêncio, por essas noites escuras da alma, por estes estigmas, por estes mandamentos, por esta cruz, por esta paixão  !!!

E anseio também estar entre os escolhidos de Jesus, como o Evangelho de hoje nos conta que foi nesta montanha de hoje que Jesus escolheu a comunidade dos Apóstolos.

Escolheu também a nós,  a mim ,  a você, a Marusia, a Teresa, o And um simples PHN,  o amigo que posta meus textos no Yahoo Respostas  como se dele fossem, enfim, todos nós somos chamados a um apostolado, também nós somos chamados por Jesus pelo nosso  nome, ainda que ele mude esse nosso nome mudando nossa missão.

Assim como Ele chamou Simão e mudou seu nome para Pedro, quis chamar o Marcos e chamá-lo de Frei Bento ; escolheu a Rosana e a chamou Ministra da OFS; quis chamar o Anderson e chamá-lo de PHN; chamou a Teresa e a chamou de  querida professora;  chamou a Marusia e a chamou de mãe e avó , chamou a  Sonia Paulino e a chamou de ira santa contra  as injustiças.

O Senhor nos conhece pelo nosso nome e nos chama pela nossa missão.

Aquela que devemos desenvolver, quando descemos da montanha com Ele, e nos misturamos com o Seu povo, porque na planície está uma numerosa multidão que O aguarda,  com suas dores e pecados, suas doenças do corpo e da alma, todos buscando a força que vem de Jesus Cristo que nos chamou para tocar o povo de Deus com nossas ações Para que , quando nos olharem, quem sabe possam ver nos nossos olhos, o Cristo que cura as dores do mundo.

Quem  topa o desafio da planície , de ser sinal da presença do Cristo no meio da multidão de dores do mundo?

Frei Bento, frade menor e pecador.