Louvai e bendizei ao meu Senhor,e dai-lhe graças. Servi-o em grande humildade.

Louvai e bendizei ao meu Senhor,e dai-lhe graças. Servi-o em grande humildade.
Louvai e bendizei ao meu Senhor,e dai-lhe graças. Servi-o em grande humildade.

quinta-feira, 28 de julho de 2011

Disse Jesus que os que morreram n'Ele vivem , e os que vivem n'Ele jamais morrerão, você crê nisto?




Paz e Bem !

Hoje, Sexta-Feira  o Evangelho nos mostra o diálogo de Jesus com Marta de Betânia, diante da morte consumada de Lázaro, Jesus pergunta a ela, e a todos nós, se cremos que Ele seja a ressurreição e a vida. E que todo aquele que n'Ele crê , ainda que esteja morto, viverá. E todo aquele que vive e crê no Cristo , jamais morrerá.

Jesus diz a Marta , e a nós, que esta é também a nossa ressurreição, projetada no nosso dia a dia, a nossa esperança e a nossa garantia, de que . se morremos em Cristo, n’Ele ressuscitaremos, e já não mais morreremos, nem dormiremos eternamente, mas estaremos com Cristo, vivos e participando de sua eternidade.
Porque nosso Deus não é um Deus de mortos, nem de quem dorme, é Deus dos vivos, dos que creram n’Ele e n’Ele foram justificados.

Ser justificado é se tornar justo, é receber a graça de vencermos a morte e participarmos do banquete celeste, do qual a Eucaristia é um prenúncio.

Muitos dizem que ao morrermos, nossa alma e nosso espírito entram num sono indefinível, em algum lugar do espaço-tempo.

Para Jesus, o Senhor da vida, aqueles que morrem na sua comum-unidade , já possuem uma vida plena de ressurreição.

Quando você morrer, você crê que irá para um  sono eterno, aguardando o dia do Senhor ?

Ou crê como o Senhor ensinou a Marta, que a morte é apenas uma etapa da vida, rumo a uma vida nova dos que jamais morrem, se n’Ele creram?

Santa Marta, cuja memória hoje celebramos , rogai por nós.

Frei Bento, frade menor e pecador.

quarta-feira, 27 de julho de 2011

O valor do Reino !



Paz e Bem !

No Evangelho de hoje, Mt 13,44-46 , Jesus nos ensina:

“O reino dos céus é como um tesouro escondido no campo. Um homem o encontra e o mantém escondido. Cheio de alegria, ele vai, vende todos os seus bens e compra aquele campo” e “o reino dos céus também é como um comprador que procura pérolas preciosas. Quando encontra uma pérola de grande valor, ele vai, vende todos os seus bens e compra aquela pérola”.

O que Jesus nos diz aqui é que os valores que temos não são nada diante do valor de nos despojarmos de tudo para conquistarmos o Reino.
Algo que Ele dirá também ao jovem rico que queria segui-Lo mas que possuía muitos bens dos quais não conseguiria dispor para conseguir seu intento.
O Reino, nos Evangelhos , é a figura da concretização da esperança, o seu valor não é medido em tesouros, mas da nossa capacidade de nos desvencilharmos de nós mesmos, de nossos egoísmos para obtermos algo novo, de valor inestimável que passa a dar novo sentido á nossa vida.
Posso resumir , o valor do reino de Deus é o valor que deixamos de dar ao nosso egoísmo para  nos abrirmos á dimensão do amor ao próximo.
Fora desta perspectiva não existe cristianismo, existe é “prosperidadismo” que não é Reino de Deus, é outro tipo de reino. E de rei...

Qual o valor que renunciamos para conquistar  o Reino do Céu ?

 
Frei Bento, frade menor e pecador

segunda-feira, 25 de julho de 2011

Por que todo mundo anda atrás de ti, Pai Francisco?




Paz e Bem e bom dia !

Estava uma vez S. Francisco no convento da Porciúncula com Frei Masseo de Marignano, homem de grande santidade, discrição e graça em falar de Deus; pela qual coisa S. Francisco o amava muito; um dia, voltando S. Francisco de orar no bosque, e ao sair do bosque, o dito Frei Masseo quis experimentar-lhe a humildade; foi-lhe ao encontro e, a modo de gracejo, disse:"Por que todo o mundo anda atrás de ti e toda a gente parece que deseja ver-te e ouvir-te e obedecer-te? Não és homem belo de corpo, não és de grande ciência, não és nobre: donde vem, pois, que todo o mundo anda atrás de ti?" 
Ouvindo isto, S. Francisco, todo jubiloso em espírito, levantando a face para o céu por grande espaço de tempo, esteve com a mente enlevada em Deus; e depois, voltando a si, ajoelhou-se e louvou e deu graças a Deus; e depois, com grande fervor de espírito, voltou-se para Frei Masseo e disse: 

"Queres saber por que a mim? Queres saber por que a mim? Queres saber por que todo o mundo anda atrás de mim? 

Isto recebi dos olhos de Deus altíssimo, os quais em cada lugar contemplam os bons e os maus: porque aqueles olhos santíssimos não encontraram entre os pecadores nenhum mais vil nem mais insuficiente nem maior pecador do que eu; e assim, para realizar esta operação maravilhosa, a qual entendeu de fazer, não achou outra criatura mais vil sobre a terra; e por isso me escolheu para confundir a nobreza, e a grandeza e a força e a beleza e a sabedoria do mundo; para que se reconheça que toda a virtude, e todo o bem é dele e não da criatura, e para que ninguém se possa gloriar na presença dele; mas quem se gloriar se glorie no Senhor, a quem pertence toda a honra e glória na eternidade".

Essa deveria ser a nossa razão, entretanto preferimos que os outros nos sigam pelo que falamos, e não pelo que Deus faz em nós.

Frei Bento, frade menor e pecador

domingo, 24 de julho de 2011

Acreditamos e nos envolvemos com Jesus e o Reino de Deus, ou apenas com o que pensamos ser Jesus e o Seu Reino ?



Paz e Bem  !



“O Reino do Céu é como um tesouro escondido no campo. Um homem o encontra, e o mantém escondido. Cheio de alegria, ele vai, vende todos os seus bens, e compra esse campo. O Reino do Céu é também como um comprador que procura pérolas preciosas.  Quando encontra uma pérola de grande valor, ele vai, vende todos os seus bens, e compra essa pérola.” - Palavra da Salvação! = Glória a vós Senhor !

Assim Jesu nos fala no Evangelho de hoje, Domingo,  Mateus 13, 44-52.

Ele nos fala de renúncias  pessoais em detrimento de alcançar um bem maior, pelo qual nos despojamos  de tudo que somos para conseguirmos tudo que deveremos ter. O campo do  tesouro escondido, a pérola...
Ele nos fala de nossa vocação para o centro > no centro está o Cristo, Ele é o Reino , Ele é o tesouro do Reino, mas para alcançá-lo é necessário bem mais do que admirar Cristo como um grande homem, um grande profeta,  uma admiração de longe, sem envolvimento, sem compromissos.

Para alcançarmos o tesouro escondido no campo do Senhor, a pérola que é o Senhor, haveremos de nos alcançarmos por primeiro, necessário  nos perdermos, para achar o que vale  a pena viver > O Cristo.

O Senhor nos chama para sermos  seus discípulos e seus missionários , um conhecimento religioso geral da graça ou do perdão não implica necessariamente em discipulado; na realidade, excluem-no, são hostis a ele. Ver Jesus como uma  idéia  pode apenas gerar  conhecimento, de admiração – talvez até mesmo de realização.
Mas nunca irá resultar na relação de discipulado pessoal e obediente.
Cristianismo sem Jesus Cristo vivo permanece necessariamente um cristianismo sem discipulado; é sempre um cristianismo sem Jesus Cristo; é uma idéia, um mito.

O compromisso do Evangelho de hoje é com os tesouros implícitos, aqueles que não são mensuráveis, são os tesouros escondidos do reino de Deus que Jesus nos convida a encontrar.

O discípulo é alguém apaixonado por Cristo, a quem reconhece como o Mestre que o conduz e acompanha.

Nos  apaixonamos  por Jesus,  e  despojamos de tudo para herdar o tesouro do Reino?

Ou procuramos obter  tesouros do mundo achando que são  os  tesouros de Cristo?

Frei Bento, frade   menor e pecador

quinta-feira, 21 de julho de 2011

Mulher, por que choras? Quem procuras ?




Paz e Bem !

Hoje a Igreja celebra a memória de Santa Maria Madalena e essa pergunta lhe foi feita pelos Anjos junto ao sepulcro vazio de Jesus na manhã da ressurreição,  conforme o Evangelho desta Sexta-Feira > São João 20, 1-2. 11-18.

E ela respondeu:  "Levaram o meu Senhor e não sei onde o colocaram !!.

Mas Jesus estava ali, ao lado dela, de pé, e repetindo a pergunta dos anjos:

Mulher porque choras? Quem procuras?

Maria pensando tratar-se do jardineiro reponde: "Senhor, se foste tu que o levaste, dize-me onde o puseste e eu o irei buscar!"

Diz-lhe, Jesus: "Maria!"

Voltando-se, ela diz em hebraico: "Rabbôni!", que quer dizer "Mestre".

Lindo trecho,  de um suave encantamento.

Maria Madalena passa do estado de grande tristeza para  absoluta alegria ao ouvir Jesus a lhe chamar pelo nome !

Assim esperamos ser chamados por Jesus, pelo nosso nome, quando O julgarmos perdido de nós .

E , no entanto,  Ele estará tão perto quanto menos o imaginarmos.

Fora das especulações livrescas e teorias conspiratórias que venderam tantos livros “fantasósticos” ( minha vó chamava assim o meu vô), Maria de Magdala era apenas uma discípula fiel, que deixou tudo para O seguir e viveu a incrível experiência de amar Jesus incondicionalmente.

De Madalena ficou esse exemplo. É para isso que os santos servem, para nos mostrar como deve ser grande a nossa vida com Cristo,  e como é imensa a nossa alegria quando O percebemos tão vivo,  junto a nós.

Hoje nós também estamos chorando;  choramos pelos nossos irmãozinhos da Somália, pedindo ao Mestre que abrande o coração daqueles que os fazem chorar.

Ajude você também o povo da Somália, procure a Caritas Internacional , ou a Ajuda a Igreja que sofre, ou aos Médicos sem Fronteiras, ou a Cruz Vermelha, enfim, qualquer um que esteja compartilhando e ajudando a minorar tanto sofrimento.

Santa Maria Madalena,  rogai por nós.

Frei Bento, frade menor e pecador.

terça-feira, 19 de julho de 2011

Esperem um momento, vou pregar aos nossos irmãos, os passarinhos.

"Sermão aos pássaros", pintura de Giotto




Paz e Bem  !

Um dia, São Francisco entrou no campo indo de encontro às aves que estavam no chão. E mal começou a pregar, as que estavam nas árvores desceram. Nenhuma se mexia, embora andando ele passasse perto e mesmo chegasse a roçar nelas com a extremidade de sua veste! E dizia às aves:
“Minhas irmãzinhas aves, vocês devem muito a DEUS, o CRIADOR, e por isso, em todo lugar que estiverem devem louva-LO, porque ELE lhes permitiu que voassem para onde quisessem, livremente, da mesma forma que devem agradecer o alimento que ELE lhes dá, sem que para isso tenham que trabalhar; agradeçam ainda a bela voz que o SENHOR lhes proporciona, que lhes permitem realizar lindas entonações! Vejam, minhas queridas irmãzinhas, vocês não semeiam e não ceifam. É DEUS quem lhes apascenta, quem lhes dá os rios e as fontes, para saciar a sede; quem lhes dá os montes e os vales, para o seu refúgio e lazer, assim como lhes dá as árvores altas, para fazerem os ninhos. Embora não saibam fiar e nem coser, DEUS lhes concede admiráveis vestimentas para todas vocês e seus filhos, porque ELE lhes ama muito e quer o bem estar de vocês. Por isso, minhas irmãzinhas, não sejam ingratas, procurem sempre se esforçarem em louvar a DEUS.”
Acabando de dizer-lhes estas palavras, todas as aves num gesto quase uniforme, começaram a abrir os bicos e esticar os pescoços, à medida que abriam as asas e inclinavam reverentemente a cabeça até a terra, cantando, demonstrando assim que Francisco lhes havia proporcionado uma grande satisfação!
Finalmente, São Francisco lhes fez o Sinal da Cruz e deu-lhes licença de se retirarem. Então, todas aquelas aves se levantaram no ar com um maravilhoso canto, e logo se dividiram em revoadas e desapareceram atrás das colinas e das matas.

Por vezes as andorinhas nos escutam mais que os homens?

Em louvor de Jesus e do pobrezinho de Assis.

Frei Bento, frade menor e pecador.

segunda-feira, 18 de julho de 2011

O Sinal que leva para a Fé.


Paz e Bem ! 


No Evangelho de hoje, Segunda-Feira> Mateus 12, 38-42, Jesus reage diante dos doutores da lei que pedem ao Senhor > Mestre, queremos ver um sinal realizado por ti.

E Jesus lhes chama de : "geração má e adúltera que busca  um sinal, mas não se lhe 
dará outro sinal senão o sinal do profeta Jonas."

E Jesus se  recusa dar- lhes  algum  sinal. 


Porque eles O tinham diante de si, já haviam visto seus gestos miraculosos, ouvido suas palavras de salvação, entretanto queriam mais, queriam aderir pelo espetacular, não pelo que é essencial.
Aquilo que os habitantes de Nínive entenderam pela pregação de Jonas, e Jesus é o que Jonas foi para aquele povo gentio.
Aquilo que a Rainha de Sabá procurava > a sabedoria de Salomão.
Ele, Jesus, entretanto, era maior que Salomão.Assim sendo , os gentios do futuro teriam mais sensibilidade para acolher e para aderir ao Evangelho  do que aqueles,os de seu povo, que O renegaram.
Aqui Jesus fala da mensagem universal de seu Evangelho, que deveria correr o mundo como palavra de salvação, livremente aceita não por prodígios ,mas por uma sincera conversão.
E isto vem até nós, esse desafio do sinal de Jonas, quando tantos de nós queremos crer somente se houver grandes milagres, grandes espetáculos de conversões forçadas pelo medo e pelo engôdo.
Não pela sincera conversão que se observou no povo de Nínive e na rainha do Sul.
Quem somos nos nessa narrativa? 
Como os fariseus modernos  que exigem  sinais espetaculares para crer?
Ou como os ninivitas? Que se converteram pela Palavra de Deus, os que tiveram a sensibilidade para ouvir, não para ver grandes prodígios, e grandes farsas.

Frei Bento, frade menor e pecador.

domingo, 17 de julho de 2011

O trigo, o joio, e o Reino de Deus.




Paz e Bem !

No Evangelho deste Domingo, São Mateus  13, 24-43 Jesus prossegue sua mistagogia sobre o Reino de Deus, comparando-o à pequeninas coisas.

Começa por nos falar do trigo e do joio , que nascem juntos, são parecidos, mas trigo é trigo e joio é joio, e ao misturar o joio no trigo para fazer o pão, este se envenena, pode até causar a morte.
Neste sentido Jesus se compara ao pão vivo que desceu do céu, e todo aquele que comer do pão que é o Seu corpo , não terá mais fome, não mais morrerá.
Nossa sociedade , repleta de cizânias que é esta mistura venenosa de trio e joio, se debate no mal do relativismo, que hoje em dia é o contrário do Bem, porque torna banal a vida humana, seus direitos fundamentais, banaliza a família e confunde o laicismo com laicidade.

A seguir Jesus nos diz que  o Reino de Deus é semelhante a uma semente de mostarda que um homem semeia em seu jardim.
A semente de mostarda é uma das semente menores que existem, entretanto a árvore que dela nasce, é imensa, e nela “as aves do céu fazem ninhos nos seus ramos”. 
Mas também, Jesus nos afirma que é semelhante ao fermento, que faz crescer a massa. Ora o fermento á algo imperceptível, é talvez menos que a semente da mostarda, mas , na dose certa e na massa certa, o fermento faz crescer “até que tudo seja fermentado.”
Mas a que o Reino é semelhante, já o sabemos, mas o que é o Reino de Deus?
O Reino de Deus é a presença libertadora de Deus entre nós, e é essa a pregação do Cristo, um Reino que não tem exércitos, nem riquezas, nem poder humano exercido sobre o outro, mas uma transformação dos homens e das estruturas, em fraternidade, paz e justiça.
E a “Constituição Federal” do Reino de Deus são as Bem-aventuranças, que talvez venham em substituição a todo “Nãos” que os 10 Mandamentos introduzem.
As Bem-aventuranças, têm um caráter afirmativo, elas não começam com negativas, ela começam com afirmações de salvação. O eixo da salvação , passa do “não farás isso ou aquilo”, e uma condenação implícita, e sem alternativas, para “Bem Aventurados sereis vós” por serem isso ou aquilo .
É primado do ser sobre o fazer. O primado do ser fraterno, do ser bom, do ser manso, do ser pacífico, do ser pobre, do ser misericordioso, sobre as condenações do pecado.
De repente é como se Jesus invertesse a lógica do judaísmo baseada no medo e no apego à lei para sermos justificados > para a imensa liberdade de sermos acolhidos e amados por Deus.
Em Jesus, deixamos de ser fariseus, ou saduceus, ou sacerdotes, ou levitas, para sermos apenas, homens e mulheres, bem aventurados, pessoas que passaram pela íntima mudança interior que nos transforma em novas criaturas em Cristo > como a semente da mostarda faz a mudança de semente em árvore fecunda, como o fermento que age escondido e transforma a farinha e a água em pão, em alimento.
Será que temos a coragem de sermos humildes sementes, ou temos a pretensão de sermos > árvores que nascem do nada?

Frei Bento, frade  menor e pecador.

sábado, 16 de julho de 2011

A mais linda Flor do Carmelo




Paz e Bem !

Hoje, Sábado  16 de Julho, é o dia de Nossa Senhora do Carmo.

E  o Evangelho que lemos é Mateus 12, 46-50 e ouvimos que , Maria e os irmãos de Jesus estavam do lado de fora de onde Ele pregava e pediram para falar com o Senhor.

“Sua mãe  e seus irmão estão ai fora e querem falar contigo”

Jesus então responde apontando par aos que O ouviam: Aqui estão minha mãe e meus irmãos,  pois todo aquele que faz a vontade do meu Pai que está no céu, esse é meu irmão, minha irmã e minha mãe”

Muitos usam este texto para tentar desmerecer o papel de Maria na vida do Senhor e mesmo para insinuar que havia uma indiferença do Cristo com Sua mãe.

Análise rasteira e tendenciosa, usada por aqueles que não querem ir além do literal e ler a escritura pelos olhos do Amor.

Antes de ser uma negação, ou menosprezo do papel de Maria, Jesus a elogia na forma mais perfeita.

Porque para Cristo, mais importante do que a encarnação do Verbo era o cumprimento da promessa. Jesus veio para fazer a Vontade de Deus, Ele a personificou. Ele é a Vontade de Deus em meio aos Homens. Mais importante que o Seu Advento é a sua Hora. A Hora de Cristo era a Hora da Vontade de Deus e Ele a realizou por completo, “Ao chegar a plenitude dos tempos, Deus enviou o Seu Filho, nascido de mulher" (Gl 4, 4). 

O elogio à Maria vem por ter sido ela a primeira que ouviu a Palavra de Deus e a primeira que a colocou em pratica.

Foi por ouvir a mensagem do Anjo e por sua disponibilidade para aceitar sua missão que Maria proporcionou a vinda ao mundo do Messias.


A atitude de Maria em ouvir a Palavra e a por em prática , que fez com que ela fosse a “cheia de graça”( Lc.1-28) a “bendita entre as mulheres”( Lc. 1,42), a mãe do meu Senhor ( Lc. 1, 43). A bem aventurada por todas as gerações ( Lc 1 ,48)

E foi este o elogio que o Filho melhor podia fazer à sua mãe, a feliz Virgem que guardava no seu coração os mistérios divinos e meditava-os assíduamente (cf. Lc 2, 19).

Assim agem alguns,  que gostam de dizer que estão os repletos de Cristo, como “donos de Jesus”, querem se  apossar de Suas bençãos, mas, no entanto, não fazem a Vontade de Deus que é amar , amar até que doa, o nosso irmão, sobretudo o mais pobre e sofredor.

Procuramos dizer o sim que Maria disse e com isto transformar toda a nossa  vida?

Acreditamos, como ela, que Deus pode abater os poderosos de seus tronos e elevar os humildes, cumular de bens os famintos e despedir os ricos de mãos vazias? ( Lc.1, 53) 

O que fazemos para que isto possa vir a acontecer?

“Flor do Carmelo, nossa alegria, salve , salve, a Virgem Maria”

Frei Bento, frade menor e pecador.

sexta-feira, 15 de julho de 2011

Livres, nos trigais do Senhor




Paz e Bem!

No Evangelho desta Sexta-Feira, São Mateus 12, 1-8, Jesus atravessa com os discípulos os trigais, era Sábado e tinham fome. Comeram as espigas. E os indefectíveis fariseus, aqueles que seguiam Jesus para acusar e tentar o Senhor erguem o dedo e apontam: Eis que os teus discípulos estão fazendo o que não é permitido fazer em dia de sábado!


São os mesmos que apedrejam os pecados alheios, se esquecendo dos seus próprios.

Ao tempo de Jesus, e no nosso também, a Fé,  para muitos,  é uma lista de “pode, não pode”, a Fé se tornou um ritual de observâncias farisaicas, de prescrições e leis que desconsideram o Amor de Deus para conosco.

Até religiões são criadas por falsos (e falsas) profetas, baseadas não no Amor, mas em dias da semana, como se fosse este o fator de nossa salvação. Deslocam o eixo do amor a Deus e ao próximo, para o eixo, não farás isto, não farás aquilo, uma imensa coleção de “nãos,” quando o sentido de nossa vida gravita todo ele no sim, na afirmação, na confissão que Jesus é o Senhor de nossas vidas, não um dia da semana do tempo contado pelos homens.

A Fé é uma experiência libertadora, ela nos é apresentada a  como uma proposta de liberdade absoluta, cuja adesão implica em compromissos, não com dias de semana, nem com minúcias farisaicas de observância legalista. A Fé que abraçamos nos impele ao abraço do outro, do pobre, do pequenino, do pecador, do oprimido.

É o que Jesus nos declara no final do texto do Evangelho de hoje, a mesma frase que Ele cita do profeta Oséias> Quero misericórdia e não sacrifícios. A mesma frase que o Senhor diz no mesmo Mateus, capitulo 9, 13 > “Ide e aprendei o que significam estas palavras: Eu quero a misericórdia e não o sacrifício (Os 6,6). Eu não vim chamar os justos, mas os pecadores."

Hoje Ele nos diz : “Se compreendêsseis o sentido destas palavras: Quero a misericórdia e não o sacrifício... não condenaríeis os inocentes.

Esta frase parece que causou muito impacto em Mateus, pois que ele a repete aqui, com o agravante do pecado de quem julga a Lei e pela Lei: “não condenaríeis os inocentes”.

Quanta beleza e força  nesta sentença de Jesus, dirigida para aqueles que são incapazes do passo além,  o de  andar pelos trigais do Senhor, colhendo o trigo, vivendo a imensa maravilha da liberdade que o Amor de Jesus nos dá. Aqueles que são incapazes da Misericórdia, porque julgam a lei, e,  se julgam a lei , já não são mais seus cumpridores, mas seus juízes. 
(cnf. Tg 4, 11-12)

São Boaventura segundo fundador e pai dos franciscanos, cuja memória hoje recordamos, rogai por nós.

Frei Bento, frade menor e pecador.

terça-feira, 12 de julho de 2011

Quem é o nosso próximo?


Paz e Bem !


No Evangelho de  São Lucas, 10, 25-37 lemos  a parábola do bom samaritano.

Ela começa com uma pergunta de um" doutor da lei", que não foi feita para obter resposta, e sim para "tentar" Jesus:  Mestre, o que devo fazer para receber em herança a vida eterna?

O legalista sabia, pela Lei de Moisés, que só a amor total a Deus e ao próximo nos leva à vida.

Sabia sim , porém não praticava, não amava concretamente, tanto é que não estava interessado na resposta de sua pergunta.

Estava interessado em fazer uma pergunta infértil, para "tentar" Jesus, como tantos hoje perguntam sem querer saber da consequência da resposta.

Jesus então lhe conta a  parábola do samaritano, para lhe dizer que o próximo é quem se aproxima do outro para lhe dar uma resposta às suas necessidades.

E essa resposta necessária, não deve levar em conta barreiras de raça, religião, nação ou classe social, não deve ser uma resposta comercial, do tipo , eu ajudo aos que estão comigo, e te ajudarei somente se você passar a crer como eu creio.

Porque o próximo é aquele que eu encontro no meu caminho. 

O "doutor da lei", aquele que se acha dono da verdade, estabelecia limites para o amor perguntando a Jesus : "Quem é o meu próximo?" 

Mas Jesus , lhe conta essa Parábola de Misericórdia" e muda a pergunta: Quem foi o próximo daquele que está caído ?

O doutor da lei nem consegue dizer o nome do inimigo "o samaritano", e diz, "aquele que usou misericórdia"

Então , Jesus percebendo que sua bela resposta nem seria considerada, haja vista a resposta que Ele obteve do doutor da lei, lhe desafia: "Vá, e faça a mesma coisa".

Não nos é contado se ele foi.

Mas e nós? Será que iríamos e usaríamos de misericórdia, quando apenas queremos "tentar" o outro com perguntas para as quais não estamos preparados para ouvir as respostas? 

Glorioso São Bento, cuja memória hoje celebramos, rogai por nós.

Frei Bento, frade menor e pecador.

domingo, 10 de julho de 2011

O Reino de Deus e suas semelhanças.




Paz e  Bem !

Meus irmãos, neste e nos dois próximos Domingos a Igreja nos dá para reflexão o capitulo 13 do Evangelho de Mateus, onde Jesus nos falará de como é o Reino de Deus, ou o Reino do Céu , porque são sinônimos de uma mesma realidade  > Deus é o Céu porque não existe o Céu sem Deus.
E nestes textos de Mateus, vermos  Jesus  comparando o Reino com coisas bem simples, íntimas e silenciosas conversões;  o Reino de Deus é muito simples,  é comparável à sementes, ao grão de trigo, uma perola , a uma rede.
E Jesus nos fala por parábolas também porque é uma linguagem simples, acessível aos humildes, mas nem por isso menos sábia do que uma linguagem de eruditos.
Ao contrário, a simplicidade só encontra abrigo nos corações que são simples de boa vontade.
E recordemos os Anjos do Natal cantando para pastores muito simples, na Noite Santa de Belém,  porque eles eram pessoas de boa vontade, e por este motivo , tinham  a Paz.

Assim sendo a linguagem da simplicidade confunde os soberbos, os duros de coração, os que esperam grandes e mirabolantes acontecimentos escatológicos, enquanto  o Rei é muito simples e está no meio de nós.
Hoje lemos que o Semeador saiu a semear suas sementes, todos somos semeadores, todos propagamos nossas idéias nossas crenças, por isto , não é uma redundância dizer que o semeador saiu a semear...
A diferença é onde é que a semente cai, a semente do nosso Semeador de hoje é a Palavra de Deus, e o Semeador é o próprio Jesus;
E a Palavra de Deus é sempre fecunda, sempre atinge o nosso coração, diante dela temos variadas atitudes, do acolhimento á negação, mas ninguém fica indiferente à ela.

O destino da Palavra semeada é o nosso próprio destino, assim como foi o destino de Jesus. A Sua Palavra semeada no Seu Tempo produziu um fruto, que germinou e fez nascer a Cruz. De aparente derrota da semente, Jesus a transformou na maior das vitórias, a Sua ressurreição gloriosa e a nossa pregação.
A Igreja é chamada a semear como Jesus, a colher os frutos desta semeadura da Palavra,  ainda que muitos possam acolhe-la mas depois a perdem pela ação do maligno, ainda que existam aqueles que a recebam no terreno pedregoso de seu coração, onde a Palavra não finca raízes, e deixam a semente sufocar nas amarguras de suas vidas, ainda que existam os que a acolhem entre os espinhos de suas vidas, e venham a pede-la na sedução do mundo, sempre haverá aqueles que são terrenos férteis, onde a semente germina e produz frutos intensos.

Frei Bento, frade menor  e pecador.

sexta-feira, 8 de julho de 2011

Como ovelhas entre lobos, prudentes como serpentes e simples como as pombas.




Paz e Bem !

Considerando o texto do Evangelho de hoje, Sexta-Feira,  Mateus 10 , 16-23, sempre estaremos como ovelhas em meio a lobos.

Jesus alerta aos seus  das perseguições que viriam, mas pede que confiem que o Espírito Santo , que fala pela Igreja, os guiaria e falaria por eles nos momentos dos tormentos.
E  que seriam odiados por muitos por causa do Seu nome.
Por fim, entretanto, os que perseverarem na missão, na vocação , esses conseguirão a salvação.

Temos aqui uma identidade do cristão com o Cristo, o mesmo destino de Jesus será o destino de tantos e tantas que se entregam à missão que liberta e dá vida nova. 

Essa missão, certamente sempre atingirá os interesses de muitos e, será esse o motivo que provocará a perseguição, a divisão e o ódio, até mesmo dentro das famílias. 
Muitas vezes poderá levar para a condenação nos tribunais e a consumação da morte nas arenas romanas, e nas novas arenas dos nossos dias também,

Mas  em todos os tempos,  a missão é dirigida pelo Espírito Santo  de Deus.

Por isso, os discípulos, e nós também, deveremos ter perseverança até o fim, sem temor nem aflição, seguros da plena manifestação de Jesus, Senhor e Juiz da História  até o fim dos tempos , no Juízo Universal.

A pomba e a serpente são as metáforas do complemento necessário entre o saber ser prudente como a serpente e simples como as pombas.

Note que Jesus não fala das serpentes naquilo que ela é maligna, mas aqui ela adquire a imagem da prudência; e nem fala da pomba como um animal fraco, mas como símbolo da simplicidade.

Não por acaso, é sob a forma de uma pomba que o Espírito Santo repousa sobre o Cristo no Seu Batismo .

E Simplicidade e Prudência, são Dons do Espírito,  que balizam o caminho do cristão, das águas do Batismo em rumo aos rios de água viva ( Conf. João 7, 38)


Frei Bento. frade menor e pecador.

quinta-feira, 7 de julho de 2011

“É isso que eu quero, isso que procuro, é isso que eu desejo fazer de todo coração! ”



Paz e Bem !

O Evangelho de hoje, Quinta-Feira  é o texto de São  Mateus 10 de ontem, agora os versículos de  7 a 
15.


Um tema bem caro ao franciscano, pois é  o    texto que São Francisco ouviu no início de sua vida em Jesus,  e depois de ouvir este Evangelho,  disse,  de todo seu coração: 


“É isso  que eu quero, isso que procuro, é isso que eu desejo  fazer de todo coração! ”. Frase que  até hoje repetimos na profissão dos votos

Aqui, Jesus manda os 12 em missão, enviando-os com poderes sobre espíritos impuros...para pregar e curar. 
Recomendou-lhes que não levassem nada para o caminho
,” Não levem nos cintos moedas de ouro, de prata ou de cobre;  nem sacola para o caminho, nem duas túnicas, nem calçados, nem bastão”

E disse a eles> “ se em algum lugar não vos receberem, nem quiserem vos escutar, quando sairdes, sacudi a poeira dos pés, como protesto contra eles!” 


Então os doze partiram e pregaram que todos se convertessem.


Vemos que é preciso muito pouco para anunciar a Boa Nova, basta se despojar de si mesmo e assumir a companhia do outro, basta não ter nada de seu ,a não ser a vontade e o Espírito Santo a guiar; basta ser muito pobre; na linguagem da época, não ter um cajado e nem as sandálias

E não levar , nem pão, nem sacola, nem dinheiro na cintura> é ter essa perspectiva de ser pobre no anúncio e no jeito de ser. 


Porque as Boas novas não são para os poderosos, elas são para os mínimos, 
Já a Virgem Maria havia profetizado no Magnificat que> O Senhor despede os ricos sem nada mas, sacia de bens os famintos.


Mas vejam bem, não é só de dinheiro que se fala aqui.


Fala-se  de valores morais e espirituais, de simplicidade e desprendimento.


Aos pobres, e aos pobres de espírito, deveria ser anunciado a Esperança, porque muitos deles já não mais a possuem...


E o Evangelho é Esperança para aqueles que já não esperam muita coisa.

Neste sentido vamos nós , por 2 mil anos, anunciando o Evangelho. 


Uns com posses e sinais externos de riqueza e de poder, outros anônimos, e pobres, por isto eficazes, anunciando um Jesus Cristo pobre, não um Rei que concede benesses se for adorado..

Esta é a reflexão que nos fica, por que anunciar um Evangelho que é caridade e doação ao próximo de vida e de amor, com técnicas e táticas de conseguir aquilo que não é o que Jesus nos dá?


Ele nos dá o poder de expulsar espíritos impuros, e estas impurezas, são as ações que contradizem o cerne da mensagem evangélica verdadeira > a caridade , o amor ao menor dos irmãos, o socorro aos que sofrem.

Levemos uma única Túnica, que é a Igreja, apoiados em uma única Esperança , o Evangelho do Senhor , e de pés descalços,  para que nunca percamos o senso da realidade.

Evangelizamos como pobres,com simplicidade? Ou o Evangelho para nós, é um grande negócio > impuro?

Frei Bento, frade menor e pecador.

quarta-feira, 6 de julho de 2011

Jesus des-alienou tantos. Por que muitos alienam tantos em nome de Jesus?


Paz e Bem  !

Fazendo uma reflexão sobre o texto do Evangelho que é proclamado hoje, Quarta-Feira, Mateus 10, 1-7, vemos o Senhor chamando os discípulos e dando a eles o poder " para expulsar os espíritos maus, e para curar qualquer tipo de doença e enfermidade. "
A seguir Mateus relaciona o nome dos 12 , sempre que os doze são anunciados Pedro é o primeiro a ser citado. Jesus os manda primeiro às ovelhas perdidas da casa de Israel. "Vão e anunciem: ‘O Reino do Céu está próximo ".
Interessante ressaltar que os  discípulos recebem o mesmo poder de Jesus: des-alienar os homens (expulsar demônios) e libertá-los de todos os males (curar doenças). Os doze apóstolos formam o núcleo da nova comunidade, chamada a continuar a palavra e ação de Jesus. 
O poder de expulsar demônios é uma metáfora para a ação de libertação integral do ser humano, não é expulsar capetas muito mal interpretados por péssimos atores, como vemos nos shows de horrores das seitas financistas.
Expulsar o demônio é des-alienar o ser humano de tudo aquilo que o prende à insanidade, que o prende à escravidão do pecado, escravidão da opressão.
Jesus nos quer livres e sadios, isto é a salvação, para que possamos assumir integralmente nosso papel de cidadãos do Reino de Deus, por isto, a cada um que Ele curou , Ele o re-encaminhou à vida: O cego Bartimeu que depois de curado seguiu Jesus pelo caminho, os dez leprosos que Jesus cura e manda aos sacerdotes para que possam ser reconhecidos como membros da comunidade , o paralítico que Jesus curou e mandou "levantar e andar" e seguir a vida, a mulher possuída por 7 demônios, que des-alienada passou a ser a mulher que anunciaria a Ressurreição. A mulher adultera que liberta da maldade da lei foi e não deveria mais pecar. .Etc...
Todos os milagres de Jesus são atos de libertação, de devolver ao ser humano seus plenos direitos, sua sanidade , devolvem a cada um a própria vida.
O que vemos hoje, entre aqueles que pretensamente "expulsam demônios" dos outros, colocam outros demônios no lugar, o demônio da intolerância, da soberba da arrogância e da alienação .
Ou seja, trocam 6 capetas por meia dúzia de demônios.

Por que tantos alienam as pessoas que Jesus des-alienou ?

Frei Bento, frade menor e pecador.

domingo, 3 de julho de 2011

E quem dizeis vós que Eu sou?




Paz e Bem !

O Evangelho desta Quinta -Feira, dia dos padres, dia do Santo Cura D'Ars,  todos conhecemos  bem > Mateus 16, 13-19, a narrativa de  que Jesus , “nos lados da Cesaréia de Felipe”,  se detém e pergunta aos doze sobre o que as pessoas pensavam Dele.
E depois pergunta mais diretamente a eles , e a nós:  “E quem dizeis vós que Eu sou?”
A Cesaréia de Felipe era uma cidade romana, situada ao norte da Galiléia, bem próxima de Nazaré. Uma cidade romana na Palestina de então, onde havia um grande  Templo erguido sobre uma rocha, dedicado ao deus Pã.
E desta visão de um Templo erguido sobre uma rocha é que talvez Jesus tenha se baseado para então descrever aos Apóstolos aquilo que todos nós lemos e interpretamos como a criação da nossa Igreja.
Sim, porque a resposta que Jesus recebeu dos Apóstolos, na pessoa de Pedro, é que constitui a Fé da nossa Igreja, o Credo que professamos ao abrirmos nossos corações e dizermos  bem alto: Creio em Jesus Cristo , Filho de Deus vivo ! da nossa Igreja, o Credo que professamos ao abrirmos nossos coraçseperando que algulibertaç
Nesta confissão  Pedro nos precede, ele é o primeiro a proclamar , não por sua voz, mas pela revelação de Deus, que Jesus é o nosso centro, a nossa rocha, a nossa esperança!
E Jesus então, deve ter olhado para a rocha e para o Templo , mostrado a eles, dizendo então a Confissão de Fé de Pedro, era a rocha sobre a qual Ele ergueria a Sua Igreja.
A nossa Igreja , fincada no rocha da Fé no Senhor ressuscitado, pelo qual Pedro deu sua vida . A  Igreja , através da qual somos inseridos no mistério de Cristo pelo Batismo, nos tornando pedras vivas deste Templo  do Deus Verdadeiro, do Deus Vivo, que nos liberta , de nossas correntes e de nossos pecados.


Estejamos portanto nós também prontos para responder e dar a Jesus a razão de nossa Esperança quando Ele nos perguntar> E quem dizeis vós que Eu sou?


Hoje a Igreja comemora do dia do padre, o dia de São João Batista Maria Vianney, o Cura D'Ars,  sacerdote simples e modelar, que se conformou ao Cristo no |Seu amor pelo Seu povo,   nos inspire e rogue por nós a Deus.

Frei Bento, frade menor e pecador.